Home-Styling | Ana Antunes: O Post que demorou meses a escrever...

Monday, February 4, 2019

O Post que demorou meses a escrever...


Este esteve para ser o último post de 2018, talvez um dos piores anos da minha vida. Mas demorou a escrever porque, quando passamos por experiências que nos marcam para a vida. Falar sobre elas é reviver cada momento, cada angustia e cada dor. Tudo outra vez...  Depois há que processar tudo na nossa cabeça até conseguirmos falar ou escrever sobre o que nos aconteceu. Mais ainda, quando estamos a partilhar e a expor algo que nos fragiliza perante tantas pessoas que nos seguem e nos têm apenas como uma imagem na televisão ou no facebook, é como que um medo de passar a ser um ser humano mais real e mais frágil. Acreditem que isto não é fácil mas sei que o devo fazer. Para além de achar que como figura mais pública devo uma explicação a tantas pessoas que me mandam mensagens a perguntar o que se passa com a minha voz. Aqui vai...

Após regressar de umas férias onde tinha ficado com uma tosse que não melhorava, eu que nunca dou muita importância estas coisas de tosses e constipações, decidi saír do escritório ao final de um dia de trabalho e ir às urgências, em vez de ir para casa. Nas urgências onde fiz uma radiografia a médica de serviço achou que poderia ter um problema na tiróide e mandou-me fazer um TAC de urgência. 

O TAC acusou uma massa grande no mediastino (na zona do tórax imediatamente abaixo do pescoço) e o diagnóstico era 'provavelmente um linfoma', neste caso um linfoma que é sempre maligno ou seja, um cancro, e que estava localizado entre a veia cava e a traqueia, e que devido às dimensões estava já a pressionar a veia cava. Que é a veia principal que irriga o coração. Acho que não me lembro de nada do que aconteceu neste dia, porque a partir do momento em que ouvi a palavra cancro, entrei literalmente em modo anestesiada! 

Felizmente que tenho um grupo de amigos médicos que foram a minha grande rede de suporte neste processo, e que para além de todo o apoio e de me conseguirem esclarecer todas as dúvidas, pânicos e inseguranças que surgiram foram incansáveis na ajuda para encontrar os profissionais de saúde mais indicados para me ajudar.

Tive a 'divina' sorte de ir parar ás mãos de um extraordinário médico na CUF Descobertas que teve o cuidado de ir investigar os meus exames de anos anteriores e que percebeu em radiografias de 2013 e 2015, que este tumor já lá estava a desenvolver-se e na altura passou despercebido. Instalou-se a duvida de se seria um linfoma maligno ou não, mas que era um caso para ser operado com urgência, pois nem punha a hipótese de perder tempo com biopsias. Todo este processo foi tão rápido que mal tive tempo para processar tudo o que se estava a passar... O médico tentou sempre tranquilizar-me e dizia que se era algo que já cá estava há algum tempo, não poderia ser assim tão grave!... Quando dei por mim estava de operação marcada e exames feitos e a minha cabeça parecia um filme em fast forward!

Quando temos a nossa saúde nas mãos dos médicos, eles passam imediatamente para uma figura de um Deus na nossa cabeça, e tudo o que eles dizem é absorvido como uma lei e tentamos concentrar-nos nas palavras deles, como se fossem a única coisa que nos tranquiliza nos piores cenários. Fui operada no espaço de 15 dias, para retirar o tumor e numa cirurgia de risco dado a localização em que se encontrava, e que já estava a provocar outros sintomas por causa da compressão da veia cava como cansaço, falta de ar, e edema (inchaço) dos membros superiores e inferiores.  

A operação correu bem e com grande empenho por parte de toda a equipa médica, no entanto tendo em conta a localização e dimensão do do tumor ficou afectado o nervo recorrente que é o nosso nervo responsável por falar, respirar e comer e por isso acordei da operação com medo de ter um susto com o resultado do tumor mas afinal acordei com outro. Estava com uma das cordas vocais paralisada e sem voz. Claro que se seguiram alguns dias de pânico a pensar que não ía conseguir gravar mais o Querido, que não iria conseguir trabalhar e falar com os clientes... enfim passa-nos tudo pela cabeça quando pensamos que podemos ter de deixar de fazer o que mais gostamos... Duas semanas após a primeira operação e internamento e recobro, anestesia geral etc. tive de passar por todo o processo outra vez... mas desta vez para ser operada às cordas vocais e conseguir falar embora ainda tenha um grande caminho a percorrer com tratamentos e terapia da voz.

Estes momentos na nossa vida não só acontecem quando têm que acontecer e por quase ironia do destino. O primeiro episódio desta série do Querido Mudei a Casa foi gravado no IPO uma semana depois de ter feito o primeiro TAC e ter sabido que podia ter um cancro maligno. As probabilidades de estar 100% empenhada num projecto do Querido Mudei a Casa num dos edifícios do IPO em Lisboa e de ficar a saber que podia ter um cancro, são tão remotas que me fez pensar que parecia que alguém tinha escrito isto tudo e que eu não estava ali por acaso... Claro que vivi momentos muito angustiantes durante todo o processo mas este episódio do programa teve em mim um peso ainda maior, e a esmagadora consciência para todos os aspectos do cancro.


Mas pronto devem estar a pensar que pronto saiu o tumor e fiquei com uma corda vocal paralisada e que a história acaba aqui... mas não pois o diagnóstico do exame do tumor que foi retirado teve de ter analisado e voltado a analisar por patologistas que, ficaram muito confusos com o facto de efectivamente o tumor conter celulas linfocitas (cancro maligno), mas que tendo estado tanto tempo dentro de mim como é que eu ainda estava viva!!... Foi só ao fim de algum tempo que chegou o diagnóstico que para além destes efeitos colaterais da localização do tumor, tenho uma doença rara cuja estatística é de 23 pessoas diagnosticadas em um milhão, e que se chama doença de Castleman. No fundo trata-se de um linfoma benigno que se pode desenvolver na região toráxica ou na região do abdómen e que, dependendo da sua localização, pode tornar-se mais grave ou menos grave, operável ou não operável. A forma localizada que consiste na formação de um nódulo linfático localizado e que regride sem sequelas após remoção cirúrgica, ou a forma multicêntrica que se espalha e necessita de quimioterapia. De todos os momentos angustiantes e dos sustos que passei nos últimos dois meses, felizmente que a minha foi a primeira. 

Claro que as lições que aprendi nos últimos meses não têm conta... e a maior parte delas todos nós já ouvimos nos testemunhos de casos de doenças graves, mas cada caso é uma história e cada história é muito pessoal. Estes são os que não vou esquecer...

Que nunca devemos ignorar os sintomas e os sinais que o nosso corpo nos dá. Eu decidi ir ás urgências por causa de uma tosse persistente algo que nunca faria, e que estava habituada a relativizar.

Que os médicos só podem ser seres humanos com a extraordinária vocação, e que escolhem a área da saúde com uma verdadeira paixão pelo que fazem pois no meu caminho cruzei-me com verdadeiros missionários da saúde. 

Que a família e os amigos são o chão que nos sustém nestes momentos, e eu tenho a inacreditável sorte de ter extraordinários amigos, e que alguns também são médicos, e que foram a minha rede de suporte diário, que me protegeram das notícias dos piores cenários, que me indicaram o caminho, que foram comigo às consultas, que fizeram as perguntas que eu nem me lembrava de fazer, e me acompanharam quase até às portas do bloco operatório, que estavam ao meu lado quando acordei no recobro das operações, que ficaram tardes sentados no quarto do hospital quando eu mal conseguia falar porque a morfina para as dores era muita!...

Que no momento em que sabemos que podemos morrer só pensamos no que é mais importante na nossa vida e nas pessoas à nossa volta e deixamos de pensar em nós. Eu não tive medo de partir, só tive medo do sofrimento que ía causar aos que cá ficavam... só pensava como é que vão ficar os meus dois filhos. O Martim - o mais novo, e o que é que vai acontecer ao Querido Mudei a Casa - o que eu por piada chamo de meu filho mais velho. 

Esta foi também a razão pela qual tenho sido muito menos presente no blogue. Passei os últimos meses focada no trabalho mais urgente e na minha saúde. Prometo que vou ser mais presente este ano de 2019 e já tenho uma das minhas assistentes a fazer marcação cerrada e a pedir para fazer mais posts! LOL!!

Este texto podia não ter imagens porque as mais importantes, ficaram todas gravadas nas memórias... Esta foi uma das poucas fotos que tirei na versão piada, enquanto estava internada, para mandar aos amigos!... Tinha dois tubos no braço e mais um a drenar o pulmão, dores de morrer e não conseguia falar porque tinha uma corda vocal paralisada... era o meu estado nesta foto...





Já depois de ter escrito este post apercebi-me que hoje mesmo assinala-se o 'Dia Mundial de Luta contra o Cancro'. Nem me tinha apercebido disto quando o escrevi e há meses que estava para o publicar... ele há coisas!... 

Até amanhã

Ana Antunes

17 comments :

  1. Um beijinho de Força. Só sabe quem passa por elas não é?
    Nos entretantos volte rapido, que precisamos todos de si :)

    ReplyDelete
  2. Ana Cristina, também eu passei um grave problema de saúde, vai fazer 4 anos. Nós somos muito mais fortes do que pensamos. A vida encarrega-se de nos dar lições e colocar as pessoas certas na nossa vida. Quando tu passar, vais dar conta que irás ser muito mais feliz nessa altura, porque vais dar importância a coisas que dantes te passava completamente ao lado, por causa desta vida louca que temos de viver. És FORTE.... Tu CONSEGUES! Beijo grande e muita energia (da boa)

    ReplyDelete
  3. Oh meu deus minha querida nao acredito voce nao merece isso que deus esteja consigo e a ajude a recuperar

    ReplyDelete
  4. Quem faz tantas famílias felizes, também merece e vai ser feliz! O pior já passou! Força! :D

    ReplyDelete
  5. Olá Ana! Fui uma das pessoas q lhe enviou uma sugestão para ir ao médico pq estava realmente preocupada com a falta de ar q apresentava no seu programa. Fico feliz por saber q foi ao médico e q ultrapassou tudo cheia de força e q está tudo bem consigo agora! Nunca estamos preparados para um diagnóstico destes e muito menos para diagnósticos incertos!!! Grande lutadora!!! Parabéns!! Nunca tive dúvidas q seria uma grande mulher!!! Tive a confirmação hoje! Um beijo e um abraço muito grandes e energia positiva para o futuro!!! Assinado: seguidora de todo o seu trabalho e obviamente fã!!!!

    ReplyDelete
  6. Beijinhos grandes 💖 e suad rápidas nemelhor

    ReplyDelete
  7. Muita saúde e rápidas melhoras. Beijinho

    ReplyDelete
  8. Já me tinha intrigado sim , mas soube que a Ana falaria disso se fosse oportuno.
    Dentro das más notícias , acabo de ler o texto com a esperança que vai tudo correr bem.
    Que vai ser diferente mas a vontade , empenho e aplicação do que faz no dia a dia não muda a intensidade.
    Desejo-lhe rápidas melhoras e boa continuação de força*

    ReplyDelete
  9. Um beijinho muito grande 💖💖💖💖

    ReplyDelete
  10. Olá Ana! Hesitei antes de escrever um comentário porque não é meu hábito entrar assim na vida de alguém que não conheço pessoalmente. No entanto vê-la ao longo dos anos na televisão quase transforma um conhecimento virtual em qualquer coisa de muito real. Tão real que tenho seguido os seus tormentos, mas, graças a Deus, também as suas melhoras. Por isso o que lhe queria deixar aqui era um abraço apertadinho e o desejo que o mau tempo tenha passado e agora seja só bonança. E... no final vai ficar tudo bem e, se ainda não está bem .... é porque ainda não acabou! Um beijinho da Maria de São Francisco

    ReplyDelete
  11. Que tudo corra bem, Ana! Rápida e boa recuperação, pelo que percebi o pior já passou...abraço

    ReplyDelete
  12. �� Ana, admiro-a imenso, é a minha decoradora favorita no querido, mas depois deste texto admiro-a ainda mais.
    2018 também me pregou um susto, uma meningite, que durante um fim-de-semana inteiro (mais pareceu um ano) não se sabia se era viral ou bacteriana (pode matar ou causar sequelas graves)... O meu filho tinha 17 meses e eu só chorava por pensar k o ia deixar tão pequenino. Felizmente foi a viral e ao fim de uma semana tive alta.
    Torço para que apesar da doença, a vida lhe sorria sempre e que continue a iluminar o seu caminho! Muita força, muita saúde, muito amor e amizade, e muitos episódios do querido pk amo vê-la!
    Um grande beijinho!

    ReplyDelete
  13. Muita força Ana. Queremos voltar a ver o seu fantástico trabalho o mais rápido possível. Força... Muita saúde.

    ReplyDelete
  14. Ana desejo -lhe tudo de BOM e que recupere muito rápido. O pior é passado. Positivismo e muita Força para seguir em frente! Um abraço enorme.
    Julia

    ReplyDelete
  15. ����

    ReplyDelete
  16. As suas rápidas melhoras Ana, adoro o seu trabalho e espero que volte depressa ao Querido.

    ReplyDelete

Comments here:

Blogs do Ano - Nomeado Decoração